Nos últimos anos alguns conceitos tornaram-se mais presentes em nosso dia a dia. Dois deles, por exemplo, são: criptomoeda e blockchain. Com o fortalecimento desse mercado, temos uma demanda cada vez maior de profissionais especializados neste tema.

Afinal, torna-se importante diminuir os riscos envolvidos, trazendo maior segurança. Isso porque a área financeira é extremamente visada por cibercriminosos e, portanto, há uma demanda para promover mais cuidados nesse setor.

No artigo de hoje vamos falar sobre cada um desses temas, explorando seus conceitos e buscando entender como a linguagem de programação JavaScript vem para agregá-las.

O que é blockchain e qual a sua importância?

Podemos entender o blockchain como um livro digital onde as transações ficam registradas, de maneira que não podem ser modificadas. Sendo assim, com a ajuda dele podemos acompanhar as mudanças ocorridas em um determinado ativo ao longo de um período.

Outro aspecto importante é que essa é uma tecnologia compartilhada. Assim, todos os interessados podem ter acesso às informações relacionadas, passando maior transparência. Dentre as suas vantagens em seu uso, destacamos a descentralização de dados, pois não há entidade ou órgão central com poder de alterá-los, ou até mesmo manipular esses dados.

Quais os principais problemas que o blockchain vem para resolver?

O blockchain vem para dar mais autonomia aos usuários no que se refere ao uso de seus dados. Dessa maneira, ele contribui para uma maior descentralização das informações.

Por exemplo, em vez de uma instituição ter o controle dos seus dados, eles estarão em uma rede, sendo administrados por comandos elaborados, e por meio de conceitos matemáticos e físicos. Isso ajuda na minimização de erros e proporciona maior segurança.

Por meio do blockchain também fica mais fácil recuperar todas as mudanças ocorridas em uma determinada informação. Sendo assim, ele vem como uma alternativa para aumentar a proteção contra fraudes e outras práticas ilegais.

Em síntese, o blockchain consiste em um banco de dados mundialmente compartilhado e cujas informações não podem ser modificadas sem alterar toda a sua estrutura.

O que é uma criptomoeda

Nesse contexto, ao falarmos em ativos e em blockchain, um assunto que também está intimamente relacionado a esses temas são as criptomoedas. O tema ganha destaque, principalmente, com a maior adesão a elas e aos debates que estão suscitando nos últimos anos.

Podemos considerá-las como moedas que existem apenas digitalmente, as quais possuem valor de compra e troca. Elas existem no  blockchain e possuem certificação digital para dar mais segurança às suas movimentações.

Isso porque, por meio do blockchain, é possível identificar a propriedade e todo o percurso que esse dinheiro virtual seguiu até o momento. Ainda, criptomoeda é uma tecnologia que promete estar cada dia mais presente em nosso cotidiano. 

Exemplo disso é que até mesmo o Banco Central do Brasil já sinalizou para a criação de uma moeda oficial: o Real Virtual, utilizando o blockchain.

Como a linguagem JavaScript funciona e como ela pode integrar a tecnologia de blockchain e criptomoeda na Web3

Percebemos que o blockchain e as criptomoedas utilizam a internet para que possam ser operados e funcionarem. Sendo assim, é necessário que exista uma linguagem de programação que possa criar meios de se interagir com essa tecnologia, tornando seu uso viável e mundialmente acessível

É nesse ponto que entra o JavaScript, a qual tem como benefícios:

  • É compatível com diferentes tipos de plataformas;
  • Trata-se de uma linguagem rápida e leve;
  • Permite a construção de páginas dinâmicas que permite a interação de usuários;
  • Facilidade na identificação e correção de erros;
  • É fácil de aprender, dentre outros.

A linguagem possibilita que pessoas desenvolvedoras construam interfaces amigáveis para acesso à recursos do blockchain, como: 

  • criptomoeda;
  • NFTs;
  • autenticação, e
  • transações. 

Chamamos essas aplicações de Apps, ou aplicativos descentralizados, por não guardarem as informações em servidores privados, mas sim na blockchain pública, permitindo outras aplicações a usarem os mesmos dados, sem precisar que o usuário os replique.

Esta tecnologia mostra o futuro da web, onde o usuário é dono dos seus dados – a chamada Web3 –, colocando o JavaScript como um dos principais facilitadores para a sua adoção.

É importante lembrar que tanto o JavaScript quanto o modelo de blockchain possuem aplicações bastante variadas, podendo ser usadas em diferentes contextos, principalmente na área artística e financeira.

E então, você gostou deste artigo? Quer saber mais sobre o assunto?
Assista este meetup onde aprofundamos sobre cada um desses temas!