Impulsojunte-se à Impulso
Integração Contínua com GitLab CI

02/09/19

6 min de leitura

Integração Contínua com GitLab CI

Integração Contínua com GitLab CI

Orlando Burli JúniorOrlando Burli Júnior

Introdução

Com o frequente crescimento do mercado de TI, tornou-se indispensável ser ágil ao produzir software. Porém, mais do que ágil, é preciso ser eficiente. Visando a eficiência e diminuindo os intervalos entre as versões, testes e publicações, surge no mercado um conceito que integra as equipes de negócio, desenvolvimento e infraestrutura: DevOps (Developer Operations).

Este termo surgiu no início dos anos 90, com o nascimento das metodologias ágeis, que propunham uma nova abordagem para desenvolvimento de software. DevOps se propõe a diminuir o gargalo entre a equipe de desenvolvimento (Developers) e a equipe de infraestrutura (Operations).

Dentro deste contexto, temos uma parte que é vital ao processo de DevOps: a “entrega contínua (Continuous Integration) (HUMBLE; FARLEY, 2014)”. Esta metodologia busca quebrar a barreira entre desenvolvedores, testadores, analistas de negócio e infraestrutura, criando uma cultura de cooperação.

Conceitos

Dentro do assunto proposto, existem 3 variações sobre o assunto: Continuous Integrations (CI), Continuous Deployment (CD) e Continuous Delivery (CDE).

Continuous Integration é o processo pelo qual fazemos o trabalho de automação dos desenvolvedores, pegando os vários commit’s feitos pelos desenvolvedores, ao longo do dia, e automatizando o merge dos mesmos e executando testes automatizados e verificações de qualidade.

Continuous Delivery é a automação das builds, tal qual o Continuous Integration, porém a decisão de publicação é humana, ou seja, alguém decide quando publicar a aplicação.

Continuous Deployment, por sua vez, é o processo de automatização da publicação destes artefatos/serviços, uma vez que a versão está devidamente testada, analisada, está pronta para ser publicada.

No gráfico abaixo, podemos ver até onde cada uma das etapas abrange.


Fig 1 – As camadas de integration, delivery e deployment. Fonte: Atlasian – 2019

Vale a pena citar aqui: é importante não confundir CI/CD com DevOps (Developer Operations). Com toda a certeza, o CI/CD faz parte da cultura DevOps, mas não representa o todo, e sim uma parte dessa cultura que envolve toda a equipe de projeto, desde o suporte até o gerente de TI.

GitLab e GitLab CI

O GitLab é um gerenciador de repositórios baseado em Git. Suas ferramentas incluem um wiki, um gerenciador de tarefas e um pipeline de CI/CD, sendo este último o foco deste artigo. O GitLab é similar ao GitHub, porém, por ser open source, pode ser armazenado em infraestrutura própria, além da versão em nuvem do mesmo, podendo ter repositórios públicos e privados.

Iniciando um projeto

Para este artigo, criei um repositório em https://gitlab.com/orlandoburli/hello-gitlab-ci, que será o projeto que usaremos para testar as builds e deploys.

O projeto é simples: uma aplicação spring boot, com uma url que recebe como parâmetro um nome, e retorna uma string com “Hello, nome!”

Fig. 2 – Código fonte da aplicação

Com o projeto pronto, agora vamos falar sobre o arquivo de configuração do CI gitlab, o .gitlab-ci.yml.

Importante: Para explicar um pouco, este arquivo é um arquivo com o formato YAML, que conta com uma formatação específica. Então, tenha atenção com ele. Ao fazer os espaçamentos, nunca use TAB, apenas espaços.

Para que seja acionada a build do GitLab CI, é necessário que este arquivo esteja na raiz do projeto, como mostrado abaixo:

Fig. 4 – Arquivo de configuração do gitlab ci

Configuração da pipeline

Agora, faremos a codificação desta build. A primeira coisa que precisa ser definida é a imagem da build. No nosso caso, definiremos como java 1.8, como mostrado abaixo:

image: java:8

O segundo passo é definirmos os stages, ou passos do nosso pipeline. Iremos definir os passos de test e build, inicialmente (lembre-se de atentar-se aos espaços, 3 espaços para montar a hierarquia de comandos):

stages:
   - test
   - build

Também colocaremos um passo anterior a estes stages, para isso, usando o comando before_script:

before_script:
  - chmod +x mvnw

O objetivo deste passo é preparar as permissões do arquivo mvnw, que é um shell script do maven para executar a build do seu projeto. Se você iniciar o seu projeto pelo starter do spring, por exemplo, já irá criar estes arquivos.

Vamos agora aos comandos da nossa pipeline, efetivamente. Primeiramente, vamos definir o comando de test:

test:
  state: test
  script: ./mvnw test

Aqui, os comandos são bem simples. Primeiro, defino o nome do comando como test. Em seguida, defino o seu estágio de execução como test, e seu script como ./mvnw test, para executar o comando do maven para testes. Caso o teste falhe, a build também falhará neste passo.

Agora, vamos definir o comando build:

build:
  stage: build
  script: ./mvnw package
  artifacts:
    paths:
      - target/hello-0.0.1-SNAPSHOT.jar

Primeiramente, definimos o nome do comando como build. Definimos o stage como build (mais para a frente no artigo isso fará mais sentido), no seu script colocamos o comando ./mvnw package para gerar o jar via maven.

Por último, definimos os artifacts, que são os artefatos gerados por esta build e que devem ser armazenados. Esta feature do gitlab permite que você armazene, junto ao seu repositório, os artefatos, ou versões geradas pelo seu pipeline.

Nosso arquivo completo ficou assim:

image: java:8

stages:
   - test
   - build

before_script:
  - chmod +x mvnw

test:
  state: test
  script: ./mvnw test

build:
  stage: build
  script: ./mvnw package
  artifacts:
    paths:
      - target/hello-0.0.1-SNAPSHOT.jar

executando a pipeline

Feito isso, estamos prontos para testar nossa pipeline. Para testar, vou subir meu commit no gitlab, o que irá disparar automaticamente a build do projeto.

Para ver as builds em execução, vá até a home do seu repositório, e no menu lateral, clique em CI / CD > Pipelines. Você verá suas pipelines em execução, como na figura abaixo:

Fig. 4 – Pipeline em execução, no stage test.

Aqui, vemos a importância das stages, citadas anteriormente neste artigo. Elas separam, de forma clara e visual, qual etapa da sua pipeline está sendo executada, bem como permite ver qual estágio falhou.

Na Fig. 4, vemos que está rodando o estágio test. Na build anterior, veja que a build falhou justamente neste estágio.

Assim, fica fácil visualizar onde você precisa corrigir seu pipeline.

Já na Fig. 5, vemos os estágios concluídos.

Fig. 5 – Build concluída e artefatos disponíveis para download.

Também vemos um botão para baixar os artefatos desta build, uma vez que agora estes artefatos estão armazenados no teu repositório.

Uma vez completo este pipeline, o próximo passo seria a publicação em produção deste artefato, para executá-lo. Mas este assunto ficará para um próximo artigo.

Conclusão

Com este artigo, temos o embasamento teórico sobre integração contínua, e sua utilização com o GitLab CI. Existem, com certeza, várias ferramentas no mercado que se propõem a fazer esta função, e o GitLab é uma ótima alternativa open source a este problema. Espero ter ajudado com esta contribuição, e até a próxima!

Referências

https://docs.gitlab.com/ee/ci/examples/deploy_spring_boot_to_cloud_foundry/index.html

Leia também a versão em inglês desse post.

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência no site. Ao aceitar, você concorda com nossa Política de Privacidade

Assine nossa newsletter

Toda semana uma News com oportunidades de trabalho, conteúdos selecionados, eventos importantes e novidades sobre o Mundo da Tecnologia.

Pronto, em breve você vai receber novidades 👍