Este é um conteúdo autoral do nosso CTO, Márcio Sena, publicado originalmente em seu blog e disponibilizado por ele para o nosso. 

Depois de avaliar inúmeras ferramentas de análise e coleta de métricas em boards Kanban, acabei optando, um ano atrás, pelo Nave. Desde os primeiros testes, a plataforma se destacou, principalmente, pela configuração simplificada, integração com ferramentas que eu já utilizava em meus times (Trello, Jira e Asana) e UI focada em dados e gráficos.

Por isso, resolvi escrever dois artigos em que mostro com detalhes como o Nave me auxilia, semanalmente, no fluxo de trabalho dos meus times. Este aqui é o primeiro deles. Vamos dar uma olhada!

O que é o Nave?

Nave é um conjunto de dashboards baseado em métricas de sistemas KANBAN. Seu objetivo é aumentar o desempenho do time a partir da identificação de problemas nas fases do fluxo. Cada painel apresenta as características fundamentais das etapas mapeadas, possibilitando melhorias contínuas nos processos de trabalho. Para explicar melhor este passo a passo, precisamos começar pelo Cycle Time Scatterplot.

Cycle time Scatterplot

Sem dúvida é o gráfico que mais acompanho semanalmente para analisar desempenho e identificar gargalos. Ele permite prever datas de conclusão do que está entrando no fluxo, principalmente nas fases após o comprometimento.

O Cycle Time Scatterplot é uma companhia diária nas cadências de qualquer time de qualidade. Ele contribui para várias frentes, como:

  • Status Report: servindo para aumentar a previsibilidade dos clientes em relação à entrega;
  • Replenishment Meeting: onde nos comprometemos com novas demandas já analisadas;  
  • Risk Review: no qual analisamos possíveis problemas.

Funcionamento na prática

Dê uma olhada no esquema abaixo, onde cada ponto corresponde a uma demanda concluída em seu quadro Kanban. Eu uso as cores para identificar a característica da demanda (Feature, Chore, Bug), mas elas são configuráveis e também poderiam servir para identificar a classe de serviço, o solicitante ou a aplicação afetada. A altura do ponto representa seu tempo de ciclo: quanto mais alto o ponto, maior foi o tempo necessário para que a solução fosse concluída.

O gráfico de dispersão do Nave usa os tempos de ciclo de todas as tarefas concluídas em um determinado período de tempo para fornecer previsões probabilísticas de conclusão das próximas demandas. As linhas de percentis determinam o tempo estimado de finalização de uma única tarefa e a probabilidade desse compromisso ser cumprido. 

Na Impulso

No Hitech, meu time de desenvolvimento na Impulso, usamos o percentil de 85, pois acreditamos que seja um nível de confiança confortável para nós e para solicitantes. A lógica é simples: quanto mais alto o percentil, maior segurança na entrega da tarefa.

Atualmente, um dos objetivos do time é que o percentil de 85 seja menor que 15 dias. Ou seja, desejamos ter uma confiança de 85% que as demandas comprometidas sejam entregues em até 15 dias. Toda demanda que ultrapassa esse limite é levada para discussão na próxima Risk Review, onde é possível identificar problemas e evitar que eles continuem acontecendo.

O nosso trabalho com Nave está apenas começando, mas este é um bom pontapé inicial para se familiarizar com a plataforma.

Então, espero que você também se familiarize e mande esse artigo para Devs que possam curtir essas dicas e de acompanhar o nosso Blog que tem novos artigos toda semana – até porque eu voltarei aqui para dar mais dicas de Nave.